Fernando de Noronha precisa da nossa ajuda.

A Agência Nacional de Petróleo (ANP) quer leiloar áreas que impactam o arquipélago e a vida da região. Fernando de Noronha, Atol das Rocas e toda sua biodiversidade correm perigo.

Vamos pressionar o poder público!

Fernando de Noronha e Atol das Rocas são patrimônios nossos e não podem sofrer com a exploração de petróleo. Junte-se a nós!


Assine e #Compartilhe!

Fernando de Noronha, grande berço de biodiversidade, corre sérios riscos por conta de leilão de áreas para exploração petróleo promovido pela ANP.

A inclusão da Bacia Potiguar na 17a rodada do leilão da exploração de petróleo e gás atinge diretamente o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, patrimônio mundial da humanidade, junto à Reserva Biológica do Atol das Rocas. patrimônio natural e histórico dos brasileiros. Nossos patrimônios estão ameaçados.


Os trechos da Bacia Potiguar ofertados para a exploração ficam ao longo da costa do Rio Grande do Norte, a cerca de 370km de Fernando de Noronha e a 260km de Atol das Rocas. Além disso, não existem estudos ou simulações em casos de acidentes durante a exploração do petróleo.

✊ Aplique o Sticker!

Sejamos

#EmbaixadoresdeNoronha!

Precisamos proteger nosso patrimônio. Mostre o seu suporte usando o sticker oficial da campanha na sua foto do Facebook e #divulgue para o maior número de pessoas!

#SalveFernandodeNoronha #AmoNoronha #NoronhaSemPetroleo #MarSemPetroleo #SalveaBaleiaAzul #SalveAtoldasRocas

👍 Curtir Página

A #BaleiaAzul é o maior animal do mundo. O risco que ela corre consegue ser

ainda maior.

A região do arquipélago de Noronha abriga grupos ameaçados de extinção, como a Baleia Azul - maior animal do planeta -, espécies raras de tartarugas e tubarões. São cerca de 230 espécies de peixes e 15 de corais.


Já Atol das Rocas é considerado um berçário natural, com águas protegidas de até mil metros de profundidade, onde acontece a reprodução de baleias, golfinhos e tubarões.




Acesse nosso

relatório técnico sobre

os impactos na região

Preparamos relatórios técnicos sobre os impactos ambientais, sociais e legais da 17ª rodada de licitações e já elaboramos ações civis públicas para pedir a exclusão dos blocos.


Em nosso relatório observamos que tanto a posição técnica do ICMBio referente ao alto risco de inclusão da Bacia Potiguar, quanto o parecer do IBAMA, foram totalmente desconsideradas pela ANP.


Ler Relatório na Íntegra

Siga a Arayara nas redes